De: edgarueda Em: maio 14, 2020 Categoria: Sem categoria Comentários: 0

Se você lidera uma pequena equipe ou uma grande organização, sabe que precisa praticar o que nós chamados de “engenharia humana”, percebendo as diferenças entre as pessoas e extraindo o melhor resultado que elas sejam capazes de produzir.

Todo mundo quer sucesso. O que distingue uma pessoa da outra são as atitudes. Entretanto, na hora do “como”, na hora de praticar, faltam as atitudes vencedoras, em especial ser forte e suportar as pancadas da vida.

De nada adianta ser bom de promessa sendo péssimo de prática. Justificativas não rendem nada: apenas tentam explicar, geralmente sem sucesso, o que ficou como saldo negativo em sua trajetória.

Provavelmente o sucesso não ocorrerá na primeira tentativa, talvez não na segunda, nem na terceira. Existe um estudo que calcula em 3,5 vezes a quantidade média de fracassos de um empreendedor antes de alcançar o sucesso. Ou seja, continue, recomece, tente outra vez, e mais outra, quantas vezes forem necessárias.

O que é a liderança?

Liderança não é poder, e sim uma autoridade conquistada com amor, com sacrifício, com dedicação – já dizia James Hunter no livro O monge e o executivo. A palavra “amor” tem aí uma conotação muito mais ampla. É emoção. Como você pretende exercer a liderança com alguém sem emocionar e se emocionar? Desde o momento que chegamos ao mundo, recebemos afago, carinho, colo, atenção, e essa percepção continua em nós por todo o restante da vida. Porque é assim que nós somos: mamíferos com cérebro humano.

O livro A essência da liderança de resultados (do Luís Paulo Luppa) diz que só é possível ser um líder de resultados gerenciando as emoções da equipe. Quer saber o peso de uma emoção? A emoção decide. Portanto, pratique liderança com atributo da emoção. Percebendo, por exemplo, as emoções positivas e negativas que costumam ser vivenciadas na busca de um resultado de vendas.

Identificando os perfis da sua equipe

Existem pessoas que contaminam emocionalmente uma equipe. São videntes do fracasso. Gostam de vestir a fantasia de fracassados, e querem que os outros façam a mesma coisa. Começam sempre um desafio admitindo que vai ser difícil, que aquela meta é irreal, impossível de ser atingida. O pior é que, quem pensa assim, faz de tudo para poder provar, no final, que tinha razão.

Existem também os exploradores do mal. Não, eles não têm nada a ver com magia negra, e sim com o dia a dia das empresas. O foco desse tipo de gente é vender a ideia de dificuldade para se livrar da solução. Você diz: “Meu amigo, nós precisamos vender mais 50 mil reais nos clientes que compram em média 100 mil reais por mês. Vamos aumentar em 50% o nosso resultado nesses clientes”. E o cara começa a abrir um leque de justificativas, que muitas vezes acaba convencendo até a liderança. Exploradores do mal adoram palavras como “crise”, “inadimplência” e “recessão”. Vivem falando essas coisas para justificar seus resultados medíocres.

Podemos dizer que essas posturas negativas têm um quê de psicológico. Porque desde a infância ouvimos muito mais “não” do que “sim”. No entanto, o desafio é exatamente esse: um dos atributos do homem de sucesso é transformar “não” em “sim”. Tanto no seu trabalho – na atividade de vendas ou em qualquer outra área – quanto na vida pessoal.

Como ser um líder de resultados?

Falo do líder de resultados porque existe outro tipo de liderança que em geral não consegue gerenciar as emoções com eficácia. É o líder teórico. Ele não consegue estimular verdadeiramente o grupo, porque não tem clareza e confiança nem para si mesmo. O grupo fica inseguro, sente-se tolhido pelas ideias prontas do líder, não acredita que é capaz de realizar, não atinge os objetivos, e uma sensação de desconforto domina o ambiente de trabalho.

Todos acabam achando que o problema está no produto, ou no planejamento, ou que o preço não ajudou. E o líder, além de achar isso tudo, avalia que sua equipe não é suficientemente capacitada. Porém, não é bem isso. O problema está na forma como as pessoas são conduzidas. Preste atenção, portanto, porque liderança é uma mola propulsora na sua organização. E se você é o que chamamos de líder teórico, procure estudar melhor os estilos de liderança e mudar sua postura o quanto antes.

Adquira agora mesmo “O Poder do Método”, a bíblia de sucesso do mercado imobiliário. Aprenda como multiplicar milhões! Acesse o link:
https://edgarueda.com.br/segredos-imobiliarios/

Edgar Ueda, fundador da Neximob, palestre e autor do best-seller “Kintsugi: o poder de dar a volta por cima” e “Desvendando a Caixa Preta do Sucesso”, além de estar lançando seu novo livro do mercado imobiliário: “O Poder do Método”, sócio fundador do Instituto Êxito. Ele possui um conjunto de páginas de empreendedorismo com mais de 3 milhões de seguidores e mais de 35 milhões de impressões mês.

Siga nas redes sociais: linkme.bio/edgaruedaoficial

 

 

Gostou deste conteúdo? Compartilhe e ajude a multiplicar informações que motivam, inspiram e despertam mudanças que vão ajudar outras pessoas a virarem o jogo.

Trackback URL: https://edgarueda.com.br/como-ser-um-lider-de-resultados/trackback/

Deixe uma resposta:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *